Considerado um centro local de baixa influência nos municípios vizinhos, o município de Cabeceira Grande é do entorno da região de Unaí, Minas Gerais. Dentro de sua área de influência, a cidade atrai maior parte dos visitantes pelos esportes.

Cabeceira Grande é o 7º município mais populoso da pequena região de Unaí, com 7 mil habitantes. O PIB da cidade é de cerca de R$ 299,7 milhões de, sendo que 51,1% do valor adicionado advém da indústria, na sequência aparecem as participações da agropecuária (22,1%), da administração pública (14%) e dos serviços (12,8%).

Com esta estrutura, o PIB per capita de Cabeceira Grande é de R$ 43,1 mil, valor superior à média do estado (R$ 30,8 mil), da grande região de Patos de Minas (R$ 32,6 mil) e da pequena região de Unaí (R$ 27,2 mil).

Tamanho e Localização

R$ 43,1 mil

PIB (R$)

R$ 299,7 milhões

PIB per capita (R$)

População

7 mil

Tamanho e Localização

Potencial de Consumo

Oportunidades

Crescimento

Regularidade

Crescimento

No ano, o município acumula mais admissões que demissões, com um saldo de 33 funcionários, o apoio à produção florestal e o armazenamento são destaques positivos.

Características

Cabeceira Grande - MG é uma pequena cidade que se destaca por apresentar novas oportunidades de negócios e pela alta regularidade das vendas no ano. O baixo potencial de consumo e o desempenho econômico são fatores de atenção.

Geração de Empregos

377º

Desligados

119

Ranking UF

335º

Admitidos

152

Ranking pc UF

De janeiro a julho de 2022, foram registradas 152 admissões formais e 119 desligamentos, resultando em um saldo positivo de 33 novos trabalhadores. Este desempenho é superior ao do ano passado, quando o saldo foi de 12.

Na pequena região de Unaí este é o 6º melhor desempenho em termos absolutos. Considerando a geração de vagas pelo tamanho da população, a cidade é a 4º que mais cresce na pequena região de de Unaí.

Destacam-se positivamente o apoio à produção florestal (15), o armazenamento (7) e as lavouras temporárias (6).

Ao longo do ano, a geração de emprego da cidade é bem equilibrada, sendo que o mês de setembro costuma apresentar maior número de contratação e agosto normalmente tem o menor saldo de empregos. Pelas nossas projeções, o mês atual de setembro deve apresentar um saldo de 16 empregos. No mês que vem, a projeção indica valores próximos a 4.

Arrecadação

Variação ano anterior

Próximo mês

Variação no mês

Abertura de Empresas

Ranking UF

undefinedº

Crescimento Mês

Crescimento ano

Quer mais informações?

Interaja com os dados em dashboards dinâmicos

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

O município possui 920 empregos com carteira assinada, a ocupação predominante destes trabalhadores é a de auxiliar de escritório (129), seguido de faxineiro (104) e de trabalhador agropecuário em geral (57). A remuneração média dos trabalhadores formais do município é de R$ 2,1 mil, valor abaixo da média do estado, de R$ 2,2 mil.

A concentração de renda entre as classes econômicas em Cabeceira Grande pode ser considerada muito baixa e é relativamente inferior à média estadual. As faixas de menor poder aquisitivo (E e D) participam com 65% do total de remunerações da cidade, enquanto que as classes mais altas representam 4,6%. Destaca-se que composição de renda das classes mais baixas da cidade têm uma concentração 10,3 pontos percentuais maior que a média estadual, já as faixas de alta renda possuem participação 11,2 pontos abaixo da média.

Do total de trabalhadores, as três atividades que mais empregam são: administração pública em geral (407), cultivo de cereais (125) e criação de bovinos para leite (68). Entre os setores característicos da cidade, também se destacam as atividades de cultivo de cereais e cultivo de milho.

Potencial de Consumo

Remuneração (R$)

R$ 2,1 mil

Empregos

920

Classes: E (até 2 Salários Mínimos), D (de 2 a 4 S.M.), C (de 4 a 10 S.M.), B (de 10 a 20 S.M.), A (acima de 20 S.M.)

Rio Grande do Sul e Santa Catarina lideram crescimento da atividade econômica em maio

Crescimento das economias gaúcha e catarinense se destacam em maio, enquanto desempenho nacional esteve abaixo das expectativas. Após...

Pior momento da recessão econômica já passou para mais da metade dos municípios

Seis a cada dez cidades catarinenses mostraram recuperação gradual da arrecadação de ICMS em junho Apesar das estimativas de mercado...

Conheça as cidades do RS mais impactadas pela pandemia

Os impactos da pandemia já começam a ser sentidos pela economia gaúcha. Dados da Secretaria da Fazenda mostram que a arrecadação de ICMS...

Apesar de pandemia, Itapoá dobra arrecadação em 2020

Com aumento da movimentação portuária, o município mostrou aumento de 116% da arrecadação nos cinco primeiros meses do ano. Depois de um...

Saldo de poupança se normaliza após aumento recorde em maio

Após inserções recordes nas contas de poupança nos últimos três meses, primeira quinzena de junho apresenta saldo negativo e sinaliza...

300 mil trabalhadores a menos, um balanço da economia do Sul do país

Após fechar o ano com desempenho positivo, economia da Região Sul apresenta sérios desafios durante a pandemia. Durante o ano de 2019, os...

Pandemia impõe maiores dificuldades para municípios do litoral

Os impactos da pandemia já começam a ser sentidos pela economia catarinense. Dados da Secretaria da Fazenda mostram que a arrecadação de...

“Urban Jungle”, o movimento que deu nova vida ao comércio de plantas!

Após anos de estagnação, o comércio de plantas e flores ganha vida com o crescente interesse das pessoas no cultivo de plantas em casa.

Construção de edifícios residenciais crescem e estimulam setor da construção

Desempenho do setor da Construção é puxado pelo crescimento de edifícios residenciais, que tem melhor resultado para o mês de agosto...

Arrecadação em Maio tem queda histórica no RS

A queda na arrecadação de ICMS para o estado em maio é de cerca de R$ 780 milhões. A redução de 27,4% é a maior da década.

Casos de COVID-19 afetam a economia da sua cidade?

Apesar da relação negativa existente entre o número de casos de COVID-19 e o desempenho econômico, os efeitos da incidência de casos na...

Incerteza reduz operações no mercado imobiliário em Florianópolis e Joinville

Até maio deste ano, período que já incorpora os efeitos da COVID-19, operações envolvendo imóveis caíram 19% em Florianópolis e 15,9% em...

Veja também:

Cabeceira Grande - MG

(Acompanhe a economia do seu Estado)

3,3

Índice Caravela:

9/5/2022

Última atualização:

Esta pesquisa foi feita a partir de fontes de dados públicas, conforme abaixo:

 

  • PIB, dados do IBGE;

  • Saldo de Empregos, dados do CAGED (Ministério do Trabalho);

  • Mercado de trabalho, dados da RAIS (Ministério do Trabalho);

  • Abertura de Empresas, dados do Ministério da Economia;

  • Arrecadação de ICMS (para alguns estados), dados das Secretarias Estaduais da Fazenda.

Fontes de informação e referências:

Sempre trabalhamos com as informações mais recentes que existem e trabalhamos a partir dos dados públicos para construções de análises e índices próprios, que ajudem no desenvolvimento da economia local.

Construído a partir de diversos indicadores, o Índice Caravela avalia cinco principais pilares econômicos das cidades: 1. Tamanho, 2. Potencial de consumo, 3. Crescimento, 4. Diversificação e 5. Sazonalidade.